sábado, 11 de agosto de 2007

Atividades/notícias do Dia 11

O Pôs-do-Sol na Reserva Ecológica, junto ao Clube de Regatas Rio Grande.


O Pôr-do-Sol na Lagoa dos Patos. Esse é o local que marca o início do canal para o Atlântico.



Sensor meteorológico junto ao trapiche no clube de regatas. No plano de trás, a lancha de passageiros para São José do Norte.


São José do Norte, ao fundo. É possível identificar as torres da igreja.


Saída de embarcações de baixo calado para a Lagoa dos Patos, no Clube de Regatas


Base Aérea de Helicópteros da Marinha.
Navio Hidrográfico de pesquisa da Marinha. Ao fundo, hangar de helicópteres da Base.




Todas as fotos nesse post são de minha autoria.

Dormi até as 10h. Acordei e fui conhecer a Feira Livre da cidade. Fica próxima ao posto da Neto. É uma feira muito tradicional na cidade e é comprida... Comprei ovos, pimentão, tomate e banana. Também comprei um produto típico, as famosas balinhas de mel. Uma gostosura. Mas o mais legal esteve por conta da Jurupira, a bebida símbolo da cidade.. Trata-se de uma bebida alcóolica, trazida para a Ilha dos Marinheiros pelos imigrantes portugueses. A tradição continua por mais de 200 anos. É uma mistura de sumo de uva com álcool. Mas não é tão simples o preparo e nem todas as famílias da Ilha dominam a técnica. Uma bebida que se serve como um vinho ou um licor. Adorei, o sabor é único no mundo (ver foto em destaque)!

Almoçei dois cachorros-quentes (descobri uma banca de rua pertinho de casa) e me preparei para ir com os escoteiros do mar Riachuelo em um acampamento. Infelizmente, foi adiado para o dia 25. Estava até com minha roupa de explorador, botas e tudo o que precisava na meia-mochila. Tratei de ir só com a roupa do corpo e um agasalho, pensando em dormir o mínimo, num cantinho. Até mesmo porque iria ter caminhada noturna!
O local é muito bonito, chama-se Quitéria (passando o bairro da Quinta). Pelo que me contaram, há vários morros de areia, sendo os melhores pontos naturais de observação do Litoral Sul. O acampamento será em uma fazenda da região. A atividade promete!!!
Ficando no grupo a tarde toda, consegui emprastado dois livros para a preparação do brevê de marinheiro. Navegar é fácil (apenas a parte 1 para arrais) e Livro de Bolso (Trilegal no mar, com todas as normalizações que regem esse mundo).

Mais tarde, fui conhecer o Clube de Regatas de Rio Grande, um dos mais antigos do país (1897). Até ganhei uma proposta para me associar (fotos em destaque).
O Clube está muito mal-cuidado, mas tem a vantagem de ter uma boa saída para a lagoa, especialmente para embarcações pequenas. Localiza-se bem no início do canal e é possível ver a Bóia que demarca o canal, as varetas de sinalização, equipamentos para coleta de dados meteorológicos e a Ilha da Base de Hilicópteros da Marinha, do outro lado. O Navio Hidrológico da Marinha, o H18, também estava lá ancorado (fotos 1-7).


Próximo domingo, estará chegando ao Superporto a P-53. Trata-se de um transatlântico desativado, de 343 m, o maior do mundo já construído. Comprado da Singapura pela Petrobrás, receberá os módulos em Rio Grande daquela que será a primeira plataforma de petróleo móvel a operar no mundo. Após a primeira instalação dos módulo (depois ela seguirá para Niterói, no Rio), ela atingirá a impressionante altura de 140 metros! Por isso, muitos serviços do canal tiveram que ser reinventados, uma vez que Rio Grande está se tornando um importante Pólo Naval do Mercosul. Duas medidas foram tomadas. Uma, o aprofundamento do canal, passando de 45 para 60 pés. Um amigo meu do mestrado, quando trabalhava na empresa de consultoria oceanográfica Atlântica, auxiliou nos processo de cálculo para descobrir a quantidade de sal que escoaria do mar para a lagoa com essa mudança.
A segunda medida, que custou R$ 15 milhões ao governo do estado, foi a transição dos fios elétricos que abastecem a cidade de São José do Norte. Não sendo possível colocá-los a mais de 140 metros de altura, a solução foi a produção e instalação de cabos subaquáticos, a 18 metros de profundidade. Já está tudo resolvido. Sucesso dos grandes!
Certamente, a entrada da P-53 nos molhes da barra será um espetáculo único. A saída, maior ainda, ainda mais com os módulos montados. Já estou planejando uma expedição para o Molhe Oeste para registrar e ver com meus próprios olhos.

Um comentário:

malena disse...

Olá...e ainda você me pede um comentario? estou sem palavras, realemente facinada com tudo e com uma pontinha de inveja....aproveita as oportunidades...Beijo